segunda-feira, 1 de junho de 2015

Trabalhadores da Indústria Têxtil Paralisam Atividades em Sergipe.




            Na manhã de hoje 29/05, cerca de 500 trabalhadores da indústria têxtil Trutnorth localizada no Município Nossa Senhora do Socorro Região Metropolitana de Sergipe  juntamente com o MST, CUT, Movimento dos Trabalhadores Urbanos (MOTU), Movimento sem Teto e diversas centrais sindicais, paralisarão as atividades em decorrência de varias irregularidades apresentada por essa empresa.
Em frente ao portão de acesso a fabrica, ouvi um ato politico com falas dos representantes das entidades presentes em apoio a luta dos trabalhadores, no qual eles denunciam as péssimas condições de trabalho como alimentação inadequada, assistência medica, salários atrasados e reduzidos no valor que deveriam ser pagos. No decorrer do ato alguns trabalhadores acabaram sendo ameaçados por funcionários  da empresa e decidiram furar a greve, mais a grande maioria continuaram firme acreditando no poder da organização.
Essa atividade faz parte da paralização nacional contra a PL 4330, e se inclui no calendário de luta do MST no Estado. 
 Em seguida a mobilização ganha as ruas do Conjunto João Alves em destino a ponte de acesso ao município de Nossa Senhora do Socorro onde acontece o fechamento das duas vias por tempo indeterminado até que os representantes da empresa dessem algum posicionamento em relação as reivindicações apresentadas pelos trabalhadores.
           

domingo, 31 de maio de 2015

MST intensifica Trabalho de base em Sergipe

Neste ultimo fim de semana 30 e 31 aconteceu mais um trabalho de formação de base do MST no Acampamento Nova Esperança localizado no Município de Siriri Região Metropolitana de Sergipe.
 O acampamento já existe a dez anos e apresenta um grande número de jovens e crianças que ficaram muito felizes com esse trabalho e acreditam que poderão seguir na luta mais confiantes, nesse período as famílias a algum tempo vem produzindo alimentos que ajudam na alimentação do dia como macaxeira, feijão, batata, milho, mamão, maracujá e hortaliças.
Essa atividade contou com a participação dos setores de comunicação e juventude, que abordarão temas como organicidade do MST, Mídia e Luta pela Terra além do protagonismo da juventude, como também foi entregue a revista Sem terrinha para as crianças presentes destacando a importância delas no decorrer da luta.
De acordo com Maria Coordenadora do acampamento foi fundamental esse momento de estudo e reflexão para que possamos continuar acreditando e nos organizando cada vez mais.    

A área que vem sendo reivindicada tem cerca de 2.800 tarefas que pertence a uma grande fazendeira da região e apresenta várias irregularidades como índices de improdutividades e desmatamento da reserva. Além disso por se localizar perto da sede do Município, as famílias relatam que vem sendo pressionadas pelo prefeito que considera ilegal a ocupação e quer implementar um projeto de moradia para beneficiar outras famílias com interesses políticos.



quarta-feira, 29 de abril de 2015

UFS e MST Promovem 2º Jornada Universitária em defesa da Reforma Agrária

Durante os dias 28, 29 e 30/Abril estará acontecendo na Universidade Federal de Sergipe a 2º edição da jornada Universitária em defesa da Reforma Agrária Popular. Temas como Questão Agrária, Meios de Comunicação, Criminalização dos Movimentos Sociais, Educação do Campo e Juventude estarão sendo debatidos  nesses três dias de jornada.
Como também exposição fotográfica e de vídeos, atividades culturais, além de uma feira da Reforma Agrária com produtos Agroecológicos das áreas de Assentamentos e Acampamentos como: hortaliças, legumes, frutas, bolos, biscoitos e artesanatos que estarão sendo comercializados com uma garantia de qualidade e de baixo custo.
A jornada acontece dentro do calendário de lutas do mês de Abril, que nesse ano relembramos o massacre de Eldorados dos Carajás  que ocorreu a 19 anos atrás onde 21 trabalhadores rurais Sem-terra foram brutalmente assassinados no Estado do Pará em 1996.   
Uma das propostas é mostrar para o espaço acadêmico, as causas pala qual o MST luta e se organiza no sentido também de conhecer a estrutura da Universidade, protagonizando o debate da Reforma Agrária Popular em seus variáveis aspectos sociais, econômicos e culturais dentro do cotidiano da sociedade Brasileira. Com isso aproveitar o momento para que possamos fazer uma analise de conjuntura entre o campo e a cidade em um processo de estreitamento e discussões dessas demandas que venham facilitar na construção de debates das politicas para a educação em um sentido que possamos melhorar cada vez mais.    
  



segunda-feira, 27 de abril de 2015

Movimentos sociais protestam contra os 50 anos da Rede Globo

Cerca de 150 manifestantes se reuniram neste domingo, 26, na praça Maracaju, em Aracaju, para protestar contra a comemoração dos 50 anos da Rede Globo. Em marcha ao som de batuques e palavras de ordem, como “o povo não é bobo, abaixo a Rede Globo” e “a verdade é dura, a Rede Globo apoiou a ditadura”, seguiram até a sede da filiada da Rede Globo no Estado, a TV Sergipe.

O grupo permaneceu em frente à TV Sergipe por cerca de uma hora. Entre os participantes estavam militantes de vários movimentos sociais, como Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento Organizado dos Trabalhadores Urbanos (MOTU) Movimento Nacional pelos Direitos Humanos (MNDH) e Levante Popular da Juventude (LPJ).

Segundo os organizadores, o objetivo foi protestar contra a manipulação e a forma como a emissora distorce os fatos para que a sociedade compactue com o discurso das classes dominantes. “O ato  é contra os abusos que a Rede Globo comete com o trabalhador que não vê suas pautas e necessidades sendo notícia na TV, ao contrário, somos sempre criminalizados”, argumenta Maria José, do MOTU.

Mídia democrática - Já Roberval dos Santos, 42 anos, militante do MST, destaca a democratização da comunicação. “Precisamos de uma mídia democrática que não atenda só os anseios da classe dominante, precisamos regionalizar a programação ao invés de hegemonizar os conteúdos e apagar a cultura popular”.

Além  da criminalização dos movimentos sociais e o apoio à ditadura no Brasil, a sonegação de imposto da Rede Globo, a erotização da programação e o apelo à desvalorização da Petrobras também foram questionadas pelos manifestantes.

Após o ato, e com a chegada da Polícia Militar, os manifestantes retornaram em caminhada para a praça Maracaju, que contou vasta programação cultural, como apresentação de hip hop e de cantores locais. O ato em Sergipe faz parte de uma mobilização nacional.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

MST Participa de Mobilização em defesa da Classe Trabalhadora



Nesta Quarta-feira 15/04/2015, o MST, CUT, Sintese, Movimento dos Trabalhadores Urbanos(MOTU), Levante Popular da juventude e diversas outras organizações sociais sairam pelas ruas da Capital da Aracajuana em defesa dos Direitos da classe Trabalhadora, pela parte da manhã em alguns pontos da cidade ouvi ato politico e panfletagem, a tarde ás 14:00 horas uma grande  concentração de trabalhadores ocorreu no Parque da Cimenteira um dos cartões postais de Aracaju onde cerca de(numero de pessoas).

Durante todo o percusso intervenções com falas de representantes das organizações presentes reafirmavam a todo momento, apoio a luta da classe Trabalhadora, diante da pauta de reividicações apontadas como a PL 4330 que só atende os intereses dos empresários, o melhoramento da Educação na qual o MST repudia o feichamento das escolas do Campo que nos ultimos anos vem crescendo em todo País e em Sergipe não é diferente, o não a redução da maioridade penal, Reforma politica entre outras pautas que foram levantadas.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015




MST Sergipe Forma 2º Turma De Gestão Em Agroindústria

Setor De Comunicação MST Sergipe.
 



Nessa sexta-feira dia 13/02/2015. O MST em parceria com o Centro de Formação em Agropecuária Dom José Brandão de Castro(CFAC) e Mundukide entidade composta pelas cooperativas de Mondragon da Espanha, formaram á 2º turma de Gestão em Agroindústria, o curso aconteceu no Centro de Formação Canudos localizado no Assentamento Moacir Wanderley, Região Metropolitana de Sergipe, o curso ocorreu em quatro etapas com duração de 6 meses.

A turma ¨Unidos pela Terra¨ assim batizada, foi formada por jovens das áreas de Assentamentos e Acampamentos do MST em Sergipe, que vem nessa formação a possibilidade de conseguirem um emprego em umas das Agroindústrias existentes no Estado, dessa forma ajudando a potencializar cada vez mais esses espaços conquistados com muita luta e organização.

Segundo Marcos um dos formando e membro do coletivo estadual de juventude ¨O MST nos incentivou a estar aqui estudando, e por isso está sendo uma boa oportunidade para a formação técnica e organização desses jovens que em muitas das vezes estão dispersos em seus locais de origem.¨
  
Uma outra expectativa é que o MST possa reativar outras agroindústrias que estão desativadas no estado, com isso possa gerar mais oportunidades de empregos, contribuindo também no processo de valorização e comercialização dos produtos que são produzidos nas áreas de assentamentos impedindo assim a intervenção de atravessadores que muitas das vezes acabam levando todo o lucro dessas produções.


Foi um momento de muita alegria e emoção durante a entrega dos certificados com a presença de membros do setor de produção e da Direção Estadual do MST, no final um grande churrasco foi realizado para comemorar mais essa conquista. 
   


terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Assentamento Roseli Nunes Intensifica Formação em Agroecologia.

   
Intercambio no projeto de Assentamento Roseli Nunes, situado na região sul, no município de Estância, é certeza do fortalecimento de experiências camponesas, realizadas por pessoas que se desafiaram a aprender com a prática. Exemplo, da horta coletiva, como também foi com a fábrica de polpas e com a iniciativa de produção de biscoitos, doces e salgados.

Com uma frente de trabalho tão próspera, os assentados do PA Roseli Nunes, em conjunto com a rede Camponês a Camponês, se envolveram na participação de quatro módulos de curso sobre horta coletiva e também vivenciaram experiências de outros lotes em assentamentos da própria região.
A participação deixou clara a todos os presentes que para produzirmos um alimento de qualidade, necessitamos de quatro princípios básicos: Diversidade, adubação orgânica, consórcio e rotação de culturas.
Certos que ainda há muito trabalho a ser feito, o grupo de famílias do Roseli Nunes dizem que estão dispostos a enfrentar os desafios que venham a surgi e a se envolverem em atividades que contribuam cada vez mais na construção e fortalecimento a Agroecologia dentro do Assentamento.    


segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Acampamento 5 de Outubro realiza 1º Trabalho de Base




Nos dias 24 e 25 de Janeiro, o acampamento 5 de Outubro,  localizado no município de Cristinápolis região Sul de Sergipe, realizou seu primeiro Trabalho de base.
Com o objetivo de fortalecer o entendimento da base sobre a organicidade do movimento Sem terra, as 280 famílias acampadas entre elas um grande numero de jovens e crianças todas oriundas do próprio município, participaram ativamente durante os dois dias da formação que teve um caráter Inter setorial com a participação do setor de formação, comunicação e juventude.
Temas como manipulação da mídia , luta pela terra e o papel da juventude do MST foram debatidos, tendo como ponto de vista as normas internas que cada acampado devi cumprir. A  noite foi organizada uma  cultural  com uma roda de sarau ao redor de uma enorme fogueira e muito samba de coco apresentado pelo grupo de dona Chica.
Essa formação foi de estrema importância, pois toda essa discussão só tem a contribuir no cotidiano das famílias e com certeza no esclarecimento do papel de cada companheiro (a). Ressalta Leandro coordenador no acampamento.
No dia seguinte os trabalhos deram continuidade, foi debatido o papel de cada setor dentro do movimento e um aprofundamento em relação ao cumprimento das normas internas que são atribuídas para todas as famílias.
O trabalho de base foi encerrado com um saboroso almoço coletivo com comidas típicas da própria região.